Som Riscado – Festival de Música e Imagem de Loulé: está a chegar mais uma edição

Publicado em 13 Março 2018 por RUA

O Festival Som Riscado regressa a Loulé com concertos visuais, performances, exposições, instalações interativas, formação e debates para fomentar cruzamentos e diálogos criativos entre os universos da música e da imagem, bem como para apresentar abordagens exploratórias e experimentais, de cariz contemporâneo, em torno da arte do som. Tendo como epicentro o Cine-Teatro Louletano, a terceira edição realiza-se entre os dias 4 e 8 de abril e já tem o programa fechado.

Rodrigo Leão Ensemble, João Paulo Esteves da Silva Trio, Nova Orquestra Futurista do Porto, Tiago Pereira, Triktopus e outros tantos músicos, realizadores, fotógrafos, performers e atores são os protagonistas da presente edição.

 

Concertos e performances audiovisuais

“Som Temperado” é o espetáculo de abertura do festival, a ter lugar no dia 4 de abril, pelas 19h00, no Cine-Teatro Louletano. Trata-se de um desafio inédito lançado pelo projeto Loulé Criativo àquela estrutura. Na verdade, estamos perante uma alquimia dos tempos modernos em que o produtor musical Miguel Neto mistura os sons do objeto que dá nome ao prato (a cataplana) com as sonoridades da sua construção pelos Caldeireiros de Loulé, e ainda com os sons da confeção pelo Chefe de cozinha do restaurante Tertúlia Algarvia. A componente imagética deste concerto visual ficará a cargo de Miguel Ângelo.

A 5 de abril, quinta-feira, pelas 21h30, e mais uma vez no Cine-Teatro, a Nova Orquestra Futurista do Porto, em absoluta estreia a sul, evoca a breve aventura que foi o “Futurismo Português” e os seus autores, salientando o ato libertário da utilização de todos os sons em contextos musicais. Para aliar a sonoridade instrumental à palavra dita (poética), o surpreendente espetáculo, intitulado “Autópsia de um Futurismo Português”, conta com a participação especial do prestigiado ator Vítor Correia.

Rodrigo Leão, acompanhado por um(a) cantor(a) convidado(a), uma formação ancorada num naipe de cordas (violino, violoncelo e viola) e um multi-instrumentista que reproduzirá em palco os ambientes sonoros das gravações originais de “Os Portugueses”, atua na noite de 6 de abril, pelas 22h00, na mesma casa. “Os Portugueses” é um concerto visual que assenta numa versão revista e atualizada dos temas instrumentais de Rodrigo Leão escritos para a série televisiva “Portugal, um Retrato Social”, cujas imagens serão projetadas no decorrer do espetáculo.

O concerto visual de sábado, 7 de abril, resulta de uma encomenda do Cine-Teatro Louletano ao prestigiado trio de João Paulo Esteves da Silva, cuja abordagem jazzística, assente na improvisação, se aliará ao universo das artes visuais, neste caso a um conjunto de fotografias do músico Bernardo Sassetti que integram a exposição “… e ainda por cima está frio”.

Igualmente resultante de uma encomenda do festival, no dia 8 de abril, pelas 18h30, acontece um concerto visual que junta os Triktopus (João Frade, Marco Santos e Diogo Duque), cuja sonoridade é de forte influência étnica, jazzy e de recurso a elementos eletrónicos, loops, samples e partes vocais, ao desenho experimental em tempo real de Pedro do Vale.

 

Instalações Interativas

Disponível durante todos os dias do festival, entre as 10h00 e as 18h00, o Som Riscado oferece, aos vários públicos (crianças, jovens e adultos), “No Human Device #4”, a quarta de uma série de instalações interativas onde são exploradas diferentes interfaces audiovisuais pelo projeto Boris Chimp 504. A instalação inaugura a 5 de abril, pelas 18h30, na Casa da Cultura de Loulé, sita no Parque Municipal.

Já a instalação interativa “Atlas de Instrumentos Utópicos”, a cargo da Sonoscopia (Porto), é uma proposta que explora alternativas e possibilidades sonoras e instrumentais usando elementos como: eletricidade, eletrónica, eletromagnetismo, água, entre outros. Terá lugar também de 4 a 8 de abril, no Auditório do Convento do Espírito Santo. No dia de encerramento haverá ainda lugar, dinamizada pela mesma companhia, para a construção de instrumentos utópicos/orquestra de balões num workshop que requer inscrição prévia.

 

Debates e conversas entre os universos da música e imagem

Depois de duas edições já realizadas, em que deu a conhecer o conceito artístico e as suas principais linhas programáticas, o festival regressa para consolidar a sua vocação e aposta novamente nas componentes reflexiva e formativa.

Assim, na sexta-feira, dia 6 de abril, pelas 18h30, Rodrigo Leão (músico), Ivan Dias (produtor/realizador) e Joana Pontes (realizadora) discutem “Da Imagem à Música: Labirintos e Fascínios do Processo Criativo”.

E no dia seguinte, a 7 de abril, sábado, pelas 16h00, Raquel Castro modera o debate entre Gustavo Costa (projeto “Phonanbient”), Carlos Norton (projeto “Aspa – Arquivo Sonoro Paisagístico do Algarve”), Tiago Pereira (projeto “A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria) e Pedro Glória (projeto “Sonda” e outros), o qual se centra em torno do tema “Paisagens e Cartografias Sonoras: Da Recolha à Reinvenção Artística das Identidades Locais”.

Ainda no que respeita à componente reflexiva, no dia 6 de abril, às 21h30, o músico João Paulo Esteves da Silva, a docente universitária Miriam Tavares e a fotógrafa e colaboradora da Casa Bernardo Sassetti Cláudia Varejão, desafiados pela organização do evento, conversam sobre o legado fotográfico do músico Bernardo Sassetti, bem como sobre o processo criativo subjacente ao concerto visual de João Paulo.

A exposição de autorretratos de Sassetti “… e ainda por cima está frio” inaugura horas antes, às 18h30, no Cine-Teatro Louletano.

O enfoque na componente formativa, sempre com uma atenção especial a propostas interdisciplinares inovadoras dirigidas a crianças e famílias, ganha também forma no concerto de música eletrónica para bebés com a convidada especial SURMA e a Companhia Musicalmente, no Auditório da Escola Secundária de Loulé, com sessões às 10h00 e 11h30 do dia 7 de abril, sábado.

Tendo o Cine-Teatro Louletano como principal palco, o Som Riscado envolve vários espaços da cidade nas suas atividades, bem como diversos parceiros institucionais do Concelho de Loulé e da região algarvia.

Para mais informações e reservas os interessados podem contactar o Cine-Teatro Louletano pelo telefone 289 414 604 (terça a sexta-feira, das 13h00 às 18h00) ou pelo email cinereservas@cm-loule.pt. Além disso, podem consultar a sua página de facebook – www.facebook.com/cineteatrolouletano ou o seu renovado website http://cineteatro.cm-loule.pt, ambos em permanente atualização, existindo também a possibilidade de compra de ingressos nos locais aderentes ou on-line através da plataforma BOL, em https://cineteatrolouletano.bol.pt/.

  • twitter
  • facebook
  • myspace
  • google
  • aim
  • blinklist
  • blogger
  • blogmarks
  • buzz
  • connotea
  • delicious
  • digg
  • diigo
  • fark
  • friendfeed
  • furl
  • linkedin
  • live
  • livejournal
  • magnolia
  • mixx
  • netvibes
  • netvouz
  • newsvine
  • propeller
  • reddit
  • slashdot
  • stumbleupon
  • technorati
  • yahoo

Deixa um Comentário

 
 
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
 
Newsletter
  1. Aguardamos os teus comentários e Sugestões