Festival Med anuncia três estreias absolutas em Portugal

Publicado em 17 Abril 2017 por RUA

Niyaz (Irão), Boogat (México/Canadá) e Delgres (Guadalupe/França) são os três nomes multipremiados que irão juntar-se aos primeiros doze artistas já anunciados e que farão parte do cartaz da 14ª edição do Festival MED. O público terá a oportunidade de assistir a três estreias absolutas em Portugal.

Considerada como uma “força evolutiva na música contemporânea do Médio Oriente”, Niyaz criou uma visão atual de fusão entre a eletrónica, a poesia Sufi medieval, a música tradicional do Irão e do Golfo Pérsico com uma forte componente de instrumentos acústicos.

Fundado em 2004, em Montreal, o grupo junta a vocalista e compositora nomeada duas vezes para o Juno Award, Azam Ali, e o multi-instrumentista e compositor, também ele nomeado para os Juno Awards, Loga Ramin Torkian.  Os 3 álbuns, editados pela Six Degrees Records, estrearam-se no primeiro lugar do iTunes e receberam excelentes críticas por parte da imprensa especializada.

Em 2015, foi lançado o quarto álbum, “The Fourth Light”, um tributo à primeira mulher Sufi, a poetisa Rabia Al Basri, que nasceu no Iraque no século VII.

Boogat é um músico canadiano, com origens mexicanas e paraguaias, que funde o Hip-Hop a vários estilos de música latina como a Cumbia ou o Reggaeton. Iniciou a carreira na língua francesa mas, após colaborar com o grupo Roberto Lopez Project e o produtor Poirier, passou a usar a língua como veículo de expressão musical, o que lhe abriu portas para uma série de colaborações com prestigiados artistas da América Latina.

Com o álbum “Neo-Reconquista” venceu o “World Music Album of the Year” no Juno Award e no Félix Award. Este trabalho, lançado em 2015, contou com as colaborações de La Yegros, Sonido Pesa’o e Pierre Kwenders.

Da Guadalupe ao Louisiana… ao delta do Mississipi, Delgres é o elo perdido do Blues. Com sua música de raízes profundas, íntima embora universal, Delgres “resgata a memória das músicas, dos sons e das lágrimas das almas perdidas de Nova Orleães”.

Nascido em Paris, filho de pais caribenhos, Pascal Danae tem mapeado o seu amor intuitivo pelo blues de volta à sua casa ancestral de Guadalupe. Deu o nome a este trio em homenagem a Louis Delgrès, o oficial de ascendência africana que deu sua vida na Ilha de Guadalupe, na luta contra Napoleão quando este, em 1802, tentou repor a escravidão, através da repressão e exílio de muitos que fugiram para o Louisiana. O contributo que esses exilados afro-caribenhos tiveram para o nascimento do blues serviu de fonte de inspiração para a música dos Delgres.

Recorde-se que estes três nomes juntam-se aos já anunciados Ana Moura, Rodrigo Leão, Fábia Rebordão e Marta Ren (Portugal), Throes + The Shine (Portugal/Angola), Rachid Taha (Argélia), Fanfare Ciocarlia (Roménia), BNegão (Brasil), Tout-Puissant Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou (Benin), Canzoniere Grecanico Salentino (Itália), Akua Naru (Estados Unidos) e Mayra Andradde (Cabo Verde).

Recorde-se que o Festival MED foi recentemente distinguido como o Melhor Festival de Média Dimensão (“Best Medium Sized Festival”) da Península Ibérica, no âmbito dos Iberian Festival Awards.

Todas as informações aqui

  • twitter
  • facebook
  • myspace
  • google
  • aim
  • blinklist
  • blogger
  • blogmarks
  • buzz
  • connotea
  • delicious
  • digg
  • diigo
  • fark
  • friendfeed
  • furl
  • linkedin
  • live
  • livejournal
  • magnolia
  • mixx
  • netvibes
  • netvouz
  • newsvine
  • propeller
  • reddit
  • slashdot
  • stumbleupon
  • technorati
  • yahoo

Deixa um Comentário

 
 
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
 
Newsletter
  1. Aguardamos os teus comentários e Sugestões