Arquivo | Universidade

Investigadores da UAlg iniciam campanha de campo nas grutas marinhas da costa de Sagres

Publicado em 21 Junho 2017 por RUA

Uma equipa de investigadores da Universidade do Algarve vai realizar uma segunda campanha de campo, de 22 a 25 de junho, com a finalidade de identificar e avaliar o potencial arqueológico, hidrodinâmico e geológico de novas grutas marinhas na região de Sagres.

A iniciativa decorre no âmbito do PaleoCoast (Adaptações humanas costeiras durante o Paleolítico no sudoeste Peninsular), um projeto coordenado pelo Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano (ICArEHB) e pelo Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA) da UAlg.

Nesta campanha serão realizados levantamentos cartográficos, recolha de amostras e de imagens fotográficas e ideográficas dos trabalhos exploratórios das grutas marinhas ao longo da costa de Sagres.

Recorde-se que na primeira campanha de campo já foram identificadas várias reentrâncias na rocha que serão agora exploradas.

A equipa do ICArEHB é constituída por Nuno Bicho, João Marreiros (coordenador da área da Arqueologia) e Frederico Tatá Regala; Duarte Duarte, coordenador da área da hidrodinâmica, geologia e das operações de mergulho científico, integra a equipa do CIMA, bem como Tiago Dores e João Santos. Aos investigadores da UAlg junta-se ainda Ricardo Soares, arqueólogo da Câmara Municipal da Vila do Bispo.

Este projeto conta com os seguintes consórcios: Associação de Arqueologia do Algarve; Câmara Municipal de Vila do Bispo; Arqueofactory; Cátedra UNESCO UAlg em Ecohidrologia: Água para os ecossistemas e sociedades; Federação Portuguesa de Atividades Subaquáticas (FPAS); e Confederação Mundial de Atividades Subaquáticas.

Comentários (0)

Vítor Neto é o novo Presidente do Conselho Geral da Universidade do Algarve

Publicado em 19 Junho 2017 por RUA

Vítor Neto foi hoje, dia 19 de junho, eleito Presidente do Conselho Geral da Universidade do Algarve (UAlg), substituindo, assim, Luis Magalhães. 

Nas suas primeiras declarações públicas, Vítor Neto, que já havia sido membro do anterior Conselho Geral, realçou o seu conhecimento e experiência no que diz respeito ao funcionamento das universidades e das preocupações dos alunos, funcionários e professores. O novo presidente destacou “o papel muito importante que a Academia desenvolve na região, mas que na sua opinião pode ainda ser maior no relacionamento com toda a estrutura económica e social do Algarve”. Vítor Neto afirmou ainda: “neste novo desafio procurarei atrair para a UAlg outras forças económicas e sociais da região, que ajudem a valorizar o nosso trabalho”

O novo Conselho Geral deu posse aos membros externos cooptados, seguindo-se a eleição do novo presidente deste órgão. Refira-se que compete ao Conselho Geral eleger o seu presidente de entre as dez personalidades externas.

O Conselho Geral da UAlg é composto por trinta e cinco membros, que se distribuem da seguinte forma: Dezoito representantes dos professores e investigadores; seis representantes dos estudantes; um representante dos funcionários não docentes; e dez personalidades externas, de reconhecido mérito, não pertencentes à UAlg, com conhecimentos e experiência relevantes para a Academia.

Os membros do Conselho Geral não representam grupos nem interesse setoriais e são independentes no exercício das suas funções.

Além de Vítor Neto, que passa a presidir, na nova composição foram cooptados: Ana Cristina Jacinto da Silva (Vogal da Comissão Executiva do Programa Operacional Temático Capital Humano, Portugal 2020); Filipe Duarte Branco da Silva Santos (Professor Catedrático, Diretor do Centro de Física Nuclear da Universidade de Lisboa); Henrique Luz Rodrigues (Presidente da Autoridade Nacional do Medicamento); Humberto Félix Teixeira da Conceição (Empresário, Grupo Hubel); João Augusto Castel-Branco Goulão (Diretor-geral do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências – SICAD), José Rui Felizardo (CEO do CEIIA-Centro para a Excelência e Inovação da Indústria Automóvel), Luís Filipe Canadas Ferrinho (CEO Omnibees e Grupo Visualforma), Paulo Jorge de Lima Dentinho (Diretor de Informação, RTP) e Maria Teresa de Pinho Marques Espassandim (Psicóloga, Direção Nacional da Ordem dos Psicólogos Portugueses).

De realçar que compete ao Conselho Geral a definição da estratégia de desenvolvimento da Instituição e a decisão sobre todos os aspetos decisivos relacionados com a gestão da Universidade, nomeadamente a eleição do Reitor.

Sobre vítor Neto

Vítor Neto, membro do anterior Conselho Geral da Universidade do Algarve, é um dos maiores especialistas portugueses em Turismo.

Natural de S. Bartolomeu de Messines, foi secretário de Estado do Turismo nos XIII e XIV Governos, entre novembro de 1997 e abril de 2002, e sucessivamente deputado à Assembleia da República.

Empresário e gestor, é presidente do grupo empresarial «Teófilo Fontainhas Neto» com atividades nas áreas da agroindústria (exportação), distribuição, turismo e imobiliária.

É presidente da Associação Empresarial do Algarve, vice-presidente da AIP e membro da Direção da CIP-CEP (Confederação Empresarial de Portugal). É presidente da Comissão organizadora da BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa).

Conferencista, articulista, colabora com várias instituições na área do Turismo e com a OMT (Organização Mundial de Turismo) tendo sido membro do seu Conselho Estratégico (2001-2008).

É cônsul honorário de Itália, no Algarve. Em 2005 foi condecorado pelo Presidente da República Jorge Sampaio, com a Ordem do Infante D. Henrique, Grau Grande Oficial. Foi também condecorado, em 2016, com uma das Medalhas do Turismo pela Região de Turismo do Algarve.

Comentários (0)

Tags: , , ,

Escola Superior de Saúde da UAlg organiza I Encontro de Saúde & Educação

Publicado em 13 Junho 2017 por RUA

A Escola Superior de Saúde da Universidade do Algarve (ESSUAlg) organiza no próximo dia 24 de junho, no auditório 1.5 do Complexo Pedagógico do Campus da Penha, o I Encontro de Saúde & Educação: Construindo pontes de sucesso para o desenvolvimento infantil.

Este encontro, que surge na sequência do final da 1ª Edição da Pós-graduação em “Intervenção Multidisciplinar nas Perturbações da Linguagem: detetar para atuar”, pretende colocar em discussão temas atuais, e ainda pouco consensuais, no âmbito da saúde e da educação infantil, aproximando, assim, o setor da saúde e da educação, em prol de todas as crianças.

Ainda no âmbito deste Encontro, irá realizar-se no dia 23 de junho, às 15h00, na Biblioteca Municipal de Faro, um Workshop dinamizado pelo terapeuta da fala João Canossa Dias, que falará sobre “Literatura para crianças: Estimulando competências linguísticas, promovendo o sucesso na literacia”.

As inscrições ainda podem ser efetuadas aqui

Programa completo aqui

Comentários (0)

Anje e Universidade do Algarve unidas para formar novos líderes e empreendedores

Publicado em 12 Junho 2017 por RUA

A  Universidade do Algarve e a ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários acabam de firmar dois protocolos com vista ao estreitamento de ligações e ao fomento de relações bilaterais de cooperação. O protocolo firmado com a Universidade do Algarve concentra atenções no desenvolvimento de ações de valor acrescentado nas áreas de empreendedorismo, incubação e aceleração. O acordo assinado com a Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, por sua vez, visa capacitar os empresários e estudantes da região com competências sociais e relacionais. A assinatura decorreu no dia 2 de maio, na Câmara Municipal de Faro.

A transferência de conhecimento entre as universidades e as empresas é um dos eixos estratégicos de intervenção assumidos pela ANJE para proporcionar o upgrade competitivo do tecido empresarial nacional. Através do protocolo assinado com a Universidade do Algarve, a Associação procura dinamizar ações relevantes para os empresários, estudantes e potenciais empreendedores algarvios nos domínios de empreendedorismo, incubação, ensino e formação, e participar ativamente em projetos de investigação com intervenção às escalas nacional e global. Adelino Costa Matos, Presidente da ANJE, e Ana Sampaio Freitas, Vice-reitora da Universidade do Algarve, foram os signatários do protocolo que tem a validade inicial de três anos.

 

Já a ligação entre a Associação e a Faculdade de Economia da Universidade do Algarve concentra esforços no reforço de competências dos empresários e estudantes locais na área das soft skills. Rui Nunes, Diretor da Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, e Adelino Costa Matos assinaram o documento que é o primeiro passo para a conceção, promoção e realização conjunta de ações de formação e atualização de conhecimentos nos domínios de intervenção das duas instituições.  A ligação estabelecida pressupõe ainda a facilitação e disponibilização de condições especiais no acesso aos serviços, iniciativas e programas desenvolvidos pelas duas entidades.

O Presidente da ANJE justifica a ligação à Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, considerando que “é fundamental potenciar recursos, gerar sinergias e estabelecer parcerias de cooperação que, tal como esta ligação com a Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, permitem melhorar a qualidade e a capacidade técnica dos serviços disponibilizados e contribuir para a melhor preparação de empresários e estudantes para os desafios técnicos, mas sobretudo sociais e relacionais que o mercado apresenta”.

Recorde-se que, no domínio das competências sociais e relacionais, a ANJE apresenta já, através da Academia de Liderança, programas gizados à medida de empresários e estudantes que queiram adquirir ou reforçar conhecimentos de liderança, negociação, gestão de conflitos, coordenação de equipas ou comunicação. Trata-se, pois, de um acordo sem validade estipulada que viabiliza o planeamento conjunto de iniciativas de capacitação na área das soft skills com impacto direto no ensino universitário e no tecido empresarial local.

Comentários (0)

Investigadores da UAlg instalam pela primeira vez em águas portuguesas dispositivo de extração de energia das marés

Publicado em 12 Junho 2017 por RUA

Pela primeira vez em águas portuguesas, foi instalado com sucesso um dispositivo de extração de energia das correntes de maré, nas imediações da Barra de Faro-Olhão, com o objetivo de avaliar a viabilidade de produção de energia das marés na Ria Formosa. A operação foi conduzida pela equipa de investigação do projeto SCORE -Sustentabilidade de Produção de Energia das Correntes de Maré da Ria Formosa, coordenada pelo investigador André Pacheco do Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA).

A operação de instalação decorreu entre os dias 6 a 8 de junho e foi efetuada em colaboração com a empresa SOFAREIA S.A. e supervisionada pela Capitania do Porto de Faro.

O projeto SCORE, além de integrar investigadores do CIMA, é composto por investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) e do Centro de Investigação sobre o Espaço e Organizações (CIEO) da Universidade do Algarve.

É a primeira vez que um centro de investigação em Portugal está a liderar um projeto que envolve diretamente o teste de um protótipo. Mas qual a utilidade desde protótipo? André Pacheco, explica que “o Evopod™ 1kW da OceanFlow Energy é um dispositivo à escala experimental de 1:10. O teste decorrerá durante um período de 4 meses, o que permitirá avaliar a operação em ambiente estuarino, nomeadamente a eficiência e eventuais impactos que a extração de energia das correntes poderá ter sobre as comunidades ecológicas, padrões de transporte de sedimentos e circulação de água”.

Recorde-se que as energias renováveis marinhas são uma prioridade da Estratégia Nacional para o Mar. De todas as fontes de energia renováveis marinhas, a energia das marés pode ter um papel primordial para a produção de energia global no futuro próximo. A energia de marés pode ser prevista durante séculos, quer do ponto de vista de tempo de ocorrência, quer de magnitude, é limpa e não se esgota, em contraste com a imprevisibilidade de outras energias renováveis, como a eólica, solar, das ondas, etc. Na opinião do coordenador do projeto, “para atingir este objetivo, a indústria tem de desenvolver uma nova geração de equipamentos de extração eficientes, económicos e amigos do ambiente. No entanto, acrescenta ainda o investigador, “um dos principais obstáculos à instalação de dispositivos de extração de energia das marés à escala comercial, e seus processos de licenciamento, são os potenciais impactes negativos nas comunidades ecológicas induzidos pela alteração da hidrodinâmica e morfologia do ambiente marinho”.

O SCORE  foi pensado para contribuir para a abertura de novas linhas de investigação em energias renováveis marinhas na Universidade do Algarve, nomeadamente promovendo a Ria Formosa como local de teste de dispositivos de extração de energia marinha, como uma fonte de energia sustentável e alternativa para o fornecimento energético regional/local.

Este projeto baseia-se no conhecimento já existente na UAlg, aliado à capacidade de inovação e otimização do capital humano dentro dos centros da  Academia, num esforço conjunto para desenvolver investigação de ponta em energias marinhas.

Concretamente, com este teste real pretende obter-se dados de desempenho do dispositivo, de forma a poder validar modelos hidrodinâmicos para estimar a capacidade de produção de energia à escala comercial; prever o potencial impacto de extração de energia das marés em meios estuarinos; e avaliar o custo-benefício de projetos desta natureza, utilizando o caso de estudo da Ilha da Culatra para avaliar as necessidades energéticas desta ilha e estimar a percentagem de contribuição que podia ser provida por dispositivos deste género.

Para André Pacheco, “a recolha e processamento destes dados permitirá otimizar a capacidade de extração dos dispositivos, propor procedimentos de mitigação face  a potenciais impactes ambientais e desenvolver medidas para uma efetiva avaliação ambiental estratégica, analisando o custo/benefício de implementação, operação e desmantelamento de parques de energia de marés, com base nas necessidades energéticas atuais”.

Link para o vídeo da operação: https://vimeo.com/220929358

Comentários (0)

Investigador da UAlg vence projeto de inovação arqueológica

Publicado em 12 Junho 2017 por RUA

O arqueólogo João Cascalheira, investigador de pós-doutoramento no Interdisciplinary Center for Archaeology and Evolution of Human Behaviour (ICArEHB) da Universidade do Algarve, é o primeiro vencedor de um projeto inserido no programa Ellen and Charles Steinmetz Endowment Fund for Archaeology, financiado pelo Archaeological Institute of America (AIA), que apoia a utilização inovadora de tecnologias em âmbito arqueológico.

O projeto vencedor foca-se na evolução das pontas de projétil em pedra durante o Paleolítico Superior, no sudoeste europeu. As tecnologias de projéteis de longo alcance, como o arco e flecha ou o propulsor, terão sido um importante fator na expansão dos Humanos Modernos a partir de África até ao oeste eurasiático. As pontas de pedra utilizadas neste tipo de armas de caça têm sido tradicionalmente classificadas com base na sua forma e funcionalidade, permitindo pôr em evidência alterações significativas na sua morfologia ao longo do tempo, mas sem revelarem quais as razões por detrás dessas mudanças e como é que elas beneficiaram essas comunidades nas práticas de caça.

Este projeto vai dotar o ICArEHB com um scanner 3D, o que permitirá construir modelos 3D de peças arqueológicas, que poderão ser impressos a três dimensões, posteriormente. Esta nova tecnologia permitirá, ainda, que sejam feitas análises em computador, permitindo visualizar características das peças que não são visíveis a olho nu.

Numa primeira fase, o projeto irá permitir criar uma base de dados digital de modelos tridimensionais dos vários tipos de pontas de seta que terão existido há cerca de 30 000 a 10 000 anos atrás, que irá ficar disponível online, livre de custos.

Já numa segunda fase, os modelos 3D irão ser utilizados para realizar testes à performance balística, através do uso de um software de dinâmica de fluidos. Estas análises irão permitir ao investigador construir um perfil balístico para cada um dos tipos de pontas e com isso explorar as potenciais diferenças, vantagens e desvantagens desses elementos enquanto projéteis cinegéticos. Deste modo, o principal objetivo da análise será tentar compreender melhor o porquê de determinadas morfologias ou tecnologias terem sido preferencialmente escolhidas, em detrimento de outras., ao longo do tempo.

Comentários (0)

Ortótese funcional anti-equino dá primeiro prémio a equipa interdisciplinar da Universidade do Algarve

Publicado em 07 Junho 2017 por RUA

Uma equipa interdisciplinar da Universidade do Algarve participou nas jornadas da Sociedade Portuguesa de Engenharia de Reabilitação, Tecnologias de Apoio e Acessibilidade (SUPERA), que se realizaram no Porto, entre os dias 1 e 3 de junho, vencendo o primeiro prémio dos desafios da Maratona de Desenvolvimento de Tecnologias de Apoio e Acessibilidade – TOM Porto 2017. A equipa da UAlg respondeu ao desafio lançado pela Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica (APELA – Portugal), desenvolvendo uma ortótese para o tornozelo e pé.

Tendo como principal objetivo o desenvolvimento de dispositivos/produtos de apoio para a melhoria da funcionalidade das pessoas com deficiência ou incapacidade, o TOM decorre em vários países do mundo, tendo sido esta a primeira vez que se realizou em Portugal.

Participaram no concurso 10 equipas representantes de várias instituições de Ensino Superior Público, que durante dois dias desenvolveram projetos inovadores.

A equipa vencedora, formada por docentes e estudantes das licenciaturas em Ortoprotesia, Engenharia Mecânica e Engenharia Elétrica e Eletrónica da UAlg, desenvolveu um protótipo para uma ortótese funcional para o pé que permite maior estabilidade na marcha, com reajuste na transferência do peso e controlo do pé pendente, e que pode ser ativada/desativada à distância para que permita, seletivamente, a flexão do pé.

Refira-se que a SUPERA é uma associação científica e técnica, de natureza multidisciplinar, sem fins lucrativos, que visa promover o desenvolvimento de atividades de C&T orientadas para a melhoria da qualidade de vida de populações com necessidades especiais.

Comentários (0)

14ª Edição do Concurso Poliempreende com candidaturas até 9 de junho

Publicado em 06 Junho 2017 por RUA

Estão abertas as candidaturas para a 14ª edição do concurso Poliempreende. O Poliempreende é um concurso de ideias e planos de negócios para alunos, docentes e não docentes dos Institutos Politécnicos, que visa promover a cultura empreendedora e fomentar a criação de empresas baseadas no conhecimento, contribuindo desta forma para o desenvolvimento regional. O Poliempreende tem como objetivo máximo incutir e estimular o empreendedorismo, bem como proporcionar saídas profissionais, de preferência através da criação do próprio emprego.

Formulário e mais informação disponível em: http://www.cria.pt/iniciativas/concurso-poliempreende-14-edicao/.

Comentários (0)

Universidade do Algarve abre nova licenciatura em Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Publicado em 06 Junho 2017 por RUA

A Universidade do Algarve vai abrir, no próximo ano letivo (2017/18), uma nova licenciatura em Matemática Aplicada à Economia e Gestão, cujo objetivo principal é oferecer uma sólida formação nas áreas fundamentais da Matemática que são da maior relevância para a resolução de problemas concretos da Economia e da Gestão. Na resolução desses problemas é também enfatizada a importância da utilização dos adequados meios computacionais.

Numa iniciativa conjunta da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) e da Faculdade de Economia (FE), este novo curso contará com um corpo docente altamente qualificado, que garante a qualidade deste ciclo de estudos, contribuindo para uma sólida formação de quadros técnicos, dotados de ferramentas analíticas e computacionais exigidas pelo mercado dinâmico e global.

Procurar-se-á ainda proporcionar uma formação que permita o ingresso em mestrados especializados que necessitem de uma forte componente em Matemática, em particular nas áreas de Economia do Turismo, Economia do Ambiente e dos Recursos Naturais, Gestão Estratégica das Organizações, Gestão de Operações, Avaliação de Desempenho, Marketing, Contabilidade, Finanças e afins.

Os diplomados deste ciclo de estudos poderão exercer funções em organismos governamentais, empresas de consultoria, bancos, seguradoras, empresas de sondagens e estudos de mercado, e outras empresas no sector da gestão que baseiam o processo de tomada de decisão na construção de modelos matemáticos para planeamento, desenvolvimento e funcionamento das suas atividades.

Refira-se que, de acordo com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, as taxas de empregabilidade na área científica da Matemática, nomeadamente na área de Matemática Aplicada à Economia e à Gestão, são as mais elevadas a nível nacional.

A FCT e a FE “valorizam a participação dos estudantes em atividades extracurriculares e a aprendizagem da língua inglesa, de forma a facilitar os contactos com os muitos estudantes estrangeiros que frequentam a Universidade do Algarve e a potenciar as inúmeras oportunidades de mobilidade internacional.”

As duas faculdades mantêm também uma relação de grande proximidade com o meio empresarial e entidades públicas regionais e nacionais, devidamente formalizada através de protocolos que preveem a oferta de estágios e a prestação de serviços que envolvem a participação de estudantes.

O acesso a esta licenciatura, lecionada no Campus de Gambelas, deverá ser efetuado através do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, tendo como prova de ingresso Matemática A.

Toda a informação sobre a licenciatura em Matemática Aplicada à Economia e Gestão pode ser consultada em https://www.ualg.pt/pt/curso/1839

Comentários (0)

Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo da UAlg coloca 282 alunos em estágio

Publicado em 06 Junho 2017 por RUA

A Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo (ESGHT) da Universidade do Algarve colocou nas duas últimas semanas 282 estudantes em estágio em empresas e instituições do Algarve, resto do país (incluindo Madeira e Açores), assim como na Espanha, Grécia, Holanda e Moçambique.

O estágio, com a duração mínima de dois meses e máximo de quatro faz parte da matriz da escola: nenhum aluno obtém o diploma de formação (Licenciatura ou de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP), sem ter realizado esta formação em contexto de trabalho.

No estágio testam-se as competências obtidas durante o tempo de estudo e reforçam-se as denominadas soft-skills, como: relacionamento interpessoal, trabalho em equipa, cumprir horário/gestão do tempo, capacidade comunicativa, resolução de problemas, entre outras.

Cada estágio é acompanhado por um professor da escola (orientador) e por um elemento da organização recetora (supervisor). Além dos estágios obrigatórios, existem ainda os extracurriculares que são realizados por estudantes do 1º e 2º anos das licenciaturas. Com os estes (extracurriculares), os estudantes começam desde logo o treino em contexto de trabalho, podendo no final do curso acumular entre 6 a 8 meses em estágio, o que facilita a entrada no mercado de trabalho. Esta atitude é cultivada pela ESGHT no sentido de o aluno ir construindo o seu currículo. Nos TeSP o estágio é obrigatório no 2º ano e tem a duração de seis meses.

Estes 282 estágios repartem-se pelos seguintes setores/áreas de atividade: Turismo – 43,7% (hotelaria e similares, agências de viagens e transportes, parques temáticos e outros serviços turísticos); Serviços – 33,4% (gabinetes de contabilidade e consultadoria, setor público, banca e seguros, sistemas e tecnologias de informação; Comércio e indústria – 6,3%; outras atividades – 16,4%.

De referir ainda que, no seguimento do crescimento da atividade económica, nomeadamente no setor turístico, a ESGHT recebeu mais de 350 propostas de estágios vindas de empresas. Estas são colocadas ao dispor dos estudantes, que também podem apresentar as suas próprias propostas.

A Escola incentiva que a elaboração do plano de funções a desempenhar e o contacto com a empresa sejam desenvolvidos pelo estudante. No global, planear e gerir quase três centenas de estágios obrigam a uma logística complexa, mas que a ESGHT já incorpora como uma rotina e permitiu, ao longo dos anos, acumular uma base de dados com mais de 2 mil empresas/organizações.

Comentários (0)

 
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
Destacar permite ouvir enquanto navegas na página. Essencial para quem usa Firefox
 
Newsletter
  1. Aguardamos os teus comentários e Sugestões